Série “Pensadores”: Barão de Mauá, Por Ighor Branco.

Tido como um dos maiores empreendedores do Brasil, em tempos onde o termo “empreendedorismo” nem era usual, Irineu Evangelista de Sousa, mais conhecido como Barão de Mauá, foi um dos grandes responsáveis pelo desenvolvimento industrial do país no período do império. Liberal nato, dedicou sua vida à investimentos de longo prazo – revolucionando diversos setores da infraestrutura nacional.

Entre os inúmeros negócios de Irineu Evangelista, talvez o que tenha maior destaque seja a criação da primeira linha férrea da América do Sul, no estado do Rio de Janeiro.

O Barão de Mauá, por mais que não tenha produção teórica, é conhecido por ser um dos primeiros personagens do capitalismo no país e no continente, principalmente ao repetir métodos de produção em grande escala, existentes na Europa e nos Estados Unidos – além de ser lembrado como um grande banqueiro.

Irineu Evangelista nasceu no interior do Rio Grande do Sul e ainda jovem se mudou para o Rio de Janeiro, na época capital do Brasil.

Com 17 anos, começou a trabalhar em uma firma de importação, da qual o escocês Ricardo Carruther era dono. Este empresário foi uma das figuras marcantes em seu desenvolvimento. Foi com Ricardo que ele aprendeu inglês e tomou gosto pelos negócios.

Tanto que pouco tempo após entrar para empresa, o Barão de Mauá já era sócio da companhia. Em 1839, Irineu Evangelista assumiu o negócio após Carruther voltar para Europa.

VIRADA DE CHAVE

Um grande  marco em sua carreira foi uma visita a Inglaterra, em 1840. Foi nessa viagem que em empresário conheceu novas ideias de fábricas e o universo do capitalismo existente em países mais desenvolvidos.

O choque de ver a Revolução Industrial de perto mudou os rumos da carreira do Barão, além de ser um dos estopins para que voltasse seus investimentos na melhoria da infraestrutura nacional.

LEGADO

Por isso, é fácil compreender que a história do Barão de Mauá está diretamente ligada ao desenvolvimento do país.

Além da primeira linha férrea do continente, o empresário foi responsável pelas primeiras indústrias de fundição de ferro e estaleiro do país, o início da exploração do rio Amazonas, obras na cidade do Rio de Janeiro e criação de bancos.

Sua influência para o crescimento econômico do país na época foi tanta que ele ficou conhecido como o “empresário do império”.

Portanto, Mauá é o que se denomina de liberal prático. Um homem de negócios, que dedicou sua vida à produção de riqueza e defendeu valores caros para os dias de hoje: a abolição da escravatura, os direitos de propriedade e a liberdade como um todo.

Ighor Branco, acadêmico de Ciência Política da UFPE.

FONTES:

- CALDEIRA, Jorge. Mauá: empresário do império. Companhia das Letras; 1ª edição (29 março 1995)

- https://www.funag.gov.br/ipri/btd/index.php/10-dissertacoes/2094-a-visao-do-barao-de-maua-sobre-a-politica-externa-brasileira-no-rio-da-prata-1850-1865