Resumo dos Artigos
Ano IV - n. 17 - julho / setembro, 2012
Uma advertência a ser levada a sério

      No artigo intitulado UMA ADVERTÊNCIA A SER LEVADA A SÉRIO, José Carlos Aleluia, presidente da Fundação Liberdade e Cidadania, aborda o texto de Ruchir Sharma, do banco norte-americano de investimentos Morgan Stanley, aparecido na influente revista Political Affairs. Consiste numa alerta dirigida ao mundo dos negócios expressa com clareza no título que escolheu: “tomem cuidado”.
       A seu ver, o autor não dispõe da informação sobre o Brasil que alardeia possuir. Contudo, levando em conta que não é trabalho de índole acadêmica, conclui deste modo: “Sem dúvida, cabe às autoridades monetárias admitir a possibilidade de que potenciais investidores internacionais, aos quais se dirigem o alerta, o levam em conta. Caberia talvez rever as projeções adotadas acerca dos níveis de inversões estrangeiras no presente exercício.”
       
       Leia na íntegra



A Dama de ferro, o Oscar e o Brasil

      O artigo A DAMA DE FERRO, O OSCAR E O BRASIL, Luiz Alberto Machado trata das ideias e convicções de Margaret Thatcher, primeira-ministra da Grã-Bretanha de 1979 a 1993, tendo por pano de fundo o filme de Phyllida Lloyd, com o qual Meryl Streep foi laureada com o Oscar de Melhor Atriz em 2012 no papel da Dama de Ferro. Complementarmente, são feitas considerações a respeito da realidade brasileira, com base numa palestra proferida por Margaret Thatcher no Brasil pouco depois de ter deixado o governo e em revelações mais recentes contidas no livro Reagan e Thatcher: uma relação difícil.
       
       Leia na íntegra



Coligações entre partidos nas eleições municipais de 2004 e 2008. estudo de caso (DEM/PLF e PT)

      O artigo COLIGAÇÕES ENTRE PARTIDOS NAS ELEIÇÕES MUNICIPAIS DE 2004 e 2008 corresponde a estudo de caso, a saber, as agremiações partidárias PT e DEM/PFL. Trata-se de entender como a comunicação intrapartidária influencia a tomada de decisões sobre coligações municipais. Coligar-se ou não a certos partidos em municípios é uma decisão tomada pelos partidos no nível nacional ou estadual e, com freqüência, ignorada no nível municipal. Para entender como isso ocorre, toma-se o caso emblemático de PT e DEM/PFL em 2004 e 2008, coligados em diversos municípios não obstante a ordem expressa das direções nacionais de ambos os partidos para que isso não ocorresse. A principal conclusão é que a dimensão do país, o desenho institucional federalista e o número exacerbado de municípios dificultam demasiadamente a comunicação intrapartidária.
       
       Leia na íntegra



Principais fontes para o estudo da história do Brasil

      No artigo PRINCIPAIS FONTES PARA O ESTUDO DA HISTÓRIA DO BRASIL, o autor parte da constatação de que sobrevivem vários mitos acerca de nosso passado histórico, em que a historiografia brasileira haja constituído invejável patrimônio.
       Nessa hipótese, considera oportuno apresentar uma relação sumária das obras básicas que proporcionariam uma visão acabada de nossa formação social e de suas instituições políticas. Ao fazê-lo, explicita, não pretende esgotar o tema.
       Com o aludido propósito, agrupa a História do Brasil em alguns grandes ciclos, a saber: I) os três primeiros séculos (ocupação do território e colonização); II) o período de estruturação das instituições do sistema representativo (Segundo Reinado); III) a República Velha e, finalmente, IV) a Era Vargas, que abrangeria não apenas aqueles anos em que Vargas esteve presente na vida política brasileira mas todo o ciclo no qual predominou o seu projeto, a que alude, e compreenderia os anos de 1930 a 1985.
       
       Leia na íntegra



Fundamentos teóricos da ordem liberal

      O TEMA EM DEBATE ocupa-se da questão dos fundamentos teóricos da Ordem Liberal. Esse tema tornou-se controverso, basicamente devido ao fato de que, no próprio processo de seu surgimento e implantação, emergiram dois modelos. De um lado, a experiência inglesa precursora, atenta ao curso histórico. De outro, os franceses pretendendo impor à realidade estruturas concebidas abstratamente, inclusive recorrendo a métodos revolucionários para introduzi-las.
       Os ingleses também fizeram uma Revolução, um século antes dos franceses, mas para obter o respeito ao que havia sido pactuado. Tratava-se de questões muito concretas e que justamente foram plasmando o que se denominou de Ordem Liberal. A primeira delas é que o poder do Monarca não se estendia à fixação de impostos. Estes eram negociados com representantes da sociedade, agrupados numa instituição que passou à história com o nome de Parlamento. Esse compromisso, que veio a ser violado, estendia-se à realização periódica de eleições para escolha de seus integrantes. Com a Revolução Gloriosa de 1688, começa a longa experiência de estruturação do governo representativo. Assim, esse sistema baseia-se, fundamentalmente, numa longa experimentação. Justamente levada em conta pelos autores, apontados no texto, que se dedicaram à sua sistematização teórica.
       
       Leia na íntegra



OUTROS RESUMOS
 
Energia nuclear: prós e contras
Editoria

A tradição do liberalismo doutrinário
Ricardo Vélez Rodriguez

"Universidades", sem essência universitária
Leonardo Prota

Os Presidentes e o Congresso no Brasil: diferentes estilos e modelos em busca da governabilidade.
João Paulo M Peixoto

 
# Sumários das edições da Revista On-Line Liberdade e Cidadania:  Ed. n. 01 , 02 , 03, 04, 05, 06, 07, 08, 09, 10, 11, 12, 13, 14 , 15, 16, 17, 18 
Revista On-Line Liberdade e Cidadania - Registro ISSN Nº 1983-9162
w w w . f l c . o r g . b r / r e v i s t a

Copyright © 2012 - Fundação Liberdade e Cidadania - Todos os direitos reservados
Senado Federal - Anexo I - 26° andar - Brasília - DF - CEP 70.165-900
Tel.: (61) 3311-4273 / Fax: (61) 3223-6201
[email protected]