Artigos
Ano III - n. 9 - julho / setembro, 2010

 
Desastrada Diplomacia

Deputado Eduardo Sciarra *

       Daqui a pouco, quando terminar o efêmero oba-oba das pesquisas de opinião e tiver início o rigoroso e duradouro julgamento da História, estará o Brasil finalmente maduro para reconhecer a herança negativa deixada pela política externa do governo Lula.
       
       Ela enfraqueceu o nosso Estado Nacional em um dos seus setores mais estratégicos, justamente aquele cujo trabalho sempre fora consensualmente admirado – aqui e lá fora – pelo pragmatismo, profissionalismo e preparo intelectual dos quadros diplomáticos do Itamaraty.
       
       Nos últimos oito anos, a busca paciente, habilidosa, discreta e, sobretudo, tenaz do interesse brasileiro foi substituída pelo amadorismo delirante de assessores palacianos, obcecados por miragens bolívaro-socialistas e alianças com regimes terroristas, com respaldo – triste é de se reconhecer – no carreirismo da atual direção do Ministério das Relações Exteriores.
       
       Em nome de um antiamericanismo ultrapassado e de uma retrógada liderança terceiro-mundista, o governo força a renegociação do Tratado de Itaipu com o Paraguai em condições desvantajosas para o Brasil; manda a Petrobras engolir em secos os prejuízos causados pela expropriação de suas instalações na Bolívia de Evo Morales; torra um bilhão de dólares para escorar a carcomida tirania cubana; dá casa, comida, roupa lavada e palanque ao ex-presidente golpista de Honduras; e importa para a até então pacífica América do Sul os intratáveis conflitos do Oriente Médio. Neste particular, envergonha à consciência democrática brasileira a cena do presidente Lula desempenhando, nos fóruns internacionais, o papel de lobista da teocracia atômica iraniana.
       
       Nas palavras do professor-titular de Direito Internacional da USP e ex-chanceler Celso Lafer, o alinhamento brasileiro àquele regime “descapitaliza nossa credibilidade na busca um ilusório prestígio”. Lula colocou-se frontalmente na contramão da opinião internacional e também das potências membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas, descrentes das intenções pacíficas proclamadas pelo Irã na defesa do seu programa nuclear. Apesar das advertências, manteve a visita ao seu colega Mahmoud Ahmadinejad, sem se importar com o declarado desejo deste de riscar Israel do mapa, nem com a brutal repressão ao povo iraniano durante recentes protestos contra uma eleição fraudulenta e ilegítima. E mais: firmou um acordo de visível caráter protelatório, tudo isto para acabar isolando o nosso país no Conselho de Segurança, quando da votação das novas sanções contra o Irã.
       
       Nessa mesma linha, Lula não se contenta em debochar da greve de fome dos oposicionistas em uma Cuba longamente oprimida pelos irmãos Fidel e Raúl Castro. Conforme assinala outro destacado docente da USP, o cientista político José Álvaro Moisés, o governo brasileiro abstém-se sistematicamente “em votações da ONU destinadas a condenar o desrespeito aos direitos humanos na Coreia do Norte, no Sudão, no Congo e no Sri Lanka”, bem como faz vista grossa “à destruição da democracia na Venezuela”, confraternizando sempre que pode com o déspota Hugo Chávez.
       
       No front da diplomacia econômica, o Palácio do Planalto e a Chancelaria brasileira insistem em fazer crer que revolucionam a geoeconomia global com sua concentração obsessiva nas chamadas relações Sul-Sul. Enquanto isso, as duas mais dinâmicas potências do mundo em desenvolvimento, China e India, não medem esforços para atingir sua prioridade maior: a conquista dos mercados dos países ricos.
       
       Mas, é impossível compreender corretamente – e criticar devidamente – essa desastrada diplomacia sem sondar as profundezas do inconsciente petista.
       
       Curtidos durante três décadas de apego aos dogmas totalitários da esquerda pré-queda do Muro de Berlim e, ao mesmo tempo, impedidos de colocar em prática seus instintos antidemocráticos aqui dentro, Lula e o PT se restringem, no plano doméstico, aos arreganhos mais ou menos inócuos de uma série de “conferências nacionais” bancadas pelo dinheiro dos contribuintes para defender a censura à mídia, preconizar o aparelhamento ideológico da educação, louvar o esbulho da propriedade privada e conclamar à destruição dos direitos, liberdades e garantias fundamentais do cidadão, empregando a mentirosa novilíngua de um Programa Nacional de Direitos Humanos !?!
       
       É por isso mesmo que, em um processo de regressão psicanalítica, o presidente e o seu partido convertem a política externa em playground simbólico da esquerda não-reformada para posar de déspotas populistas e truculentos, pois, afinal, é ai que residem suas inclinações mais recônditas e fidelidades mais ardentes.
       
       Infelizmente, como adverte mestre Lafer, essa brincadeira redunda em profundo descrédito para a imagem internacional do Brasil como país sério e maduro.
       
       A eleição deste ano dará aos brasileiros a grande chance de restituir essa seriedade e o perdido pragmatismo à nossa política externa, retomando o fio da tradição do Barão do Rio Branco.
       
       Também nesse setor, precisamos tirar o Brasil do vermelho!
       

Deputado Eduardo Sciarra
Deputado federal desde 2002 (DEM-PR), Eduardo Sciarra é engenheiro civil e empresário do setor da construção. No período de 1998-2002, exerceu o cargo de Secretário de Indústria, Comércio e Turismo do Paraná, assumindo o desafio de iniciar um novo processo de industrialização que culminou na formação de novos pólos econômicos tanto na capital como no interior do Estado. Pertence à Comissão Executiva Nacional do Democratas, da qual éVice-Presidente.

OUTROS ARTIGOS
 
Os Brics e a Globalização: Perspectivas da Rússia e da China
Ricardo Vélez Rodriguez

Educação Política: Reflexões Sobre um Pilar da Democracia
Humberto Dantas

O Papel do Estado Social e a Regulação Independente
José António Palma Carpinteiro e André Azevedo Alves

 
# Sumários das edições da Revista On-Line Liberdade e Cidadania:  Ed. n. 01 , 02 , 03, 04, 05, 06, 07, 08, 09, 10, 11, 12, 13, 14 , 15, 16, 17, 18 
Revista On-Line Liberdade e Cidadania - Registro ISSN Nº 1983-9162
w w w . f l c . o r g . b r / r e v i s t a

Copyright © 2012 - Fundação Liberdade e Cidadania - Todos os direitos reservados
Senado Federal - Anexo I - 26° andar - Brasília - DF - CEP 70.165-900
Tel.: (61) 3311-4273 / Fax: (61) 3223-6201
[email protected]